Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

7e8f6a2a-0616-4d55-b879-d1b50470df70
No comando: ALEGRIA ALEGRIA

Das 5:00 as 7:30

biblia
No comando: CONVERSANDO COM DEUS

Das 7:30 as 9:00

No comando: DOMINGO DE BOA

Das 8:00 as 10:00

sabia-e-a-natureza
No comando: BAIXADA EM DEBATE

Das 9:00 as 12:00

7e8f6a2a-0616-4d55-b879-d1b50470df70
No comando: ALEGRIA ALEGRIA

Das 05:00 as 07:30

10
No comando: CONEXÃO DIRETA

Das 09:00 as 11:00

No comando: BINGO VIANA FELIZ

Das 10:00 as 11:00

No comando: RETRANSMISSÃO JORNAL DAS 11 – RÁDIO TIMBIRAS

Das 11:00 as 12:00

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL

Das 11:00 as 15:00

jornalismo
No comando: JORNAL NOSSA HORA

Das 12:00 as 13:00

No comando: PALMAS E PALMATÓRIAS

Das 12:00 as 13:30

No comando: VIANA EM FOCO

Das 13:00 as 14:00

Pedro Álvares
No comando: BREGA TOTAL

Das 13:00 as 16:00

IMG-20170404-WA0044
No comando: DE BEM COM O SUCESSO

Das 14:00 as 15:30

No comando: RETRANSMISSÃO BINGO UNIÃO DA SORTE

Das 15:00 as 17:00

Riba Sousa
No comando: CONEXÃO REGGAE

Das 15:30 as 17:00

Riba Sousa
No comando: CONEXÃO REGGAE

Das 16:00 as 18:00

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL

Das 17:00 as 00:00

FOTO_PROGRAMA_02
No comando: MOMENTO GOSPEL

Das 17:00 as 18:00

No comando: PONTO E VÍRGULA

Das 18:00 as 19:00

reencarnacao
No comando: JOÃO DE DEUS

Das 18:00 as 20:00

Bandeira-Brasil-stock.xchng-menor
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 as 20:00

No comando: ÁGUIA DE OURO

Das 20:00 as 21:00

1247583011-Bob_Marley_wallpaper_picture_image_free_music_Reggae_desktop_wallpaper_1024
No comando: ÁGUIA DE OURO

Das 20:00 as 21:00

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL

Das 21:00 as 00:00

No comando: BINÉ BORGES FAZ AMIGOS

Das 21:00 as 23:00

pplware_gira_discos-720x482
No comando: ARQUIVO MUSICAL

Das 23:00 as 00:00

A TRAVESSIA DA BAÍA DE SÃO MARCOS, UMA ODISSEIA

Compartilhe:
Lancha

Nonato Reis (*)

A construção da rodovia MA-014, ligando Vitória do Mearim a Pinheiro, virou uma página marcada por tragédias, agonia e sofrimento. Antes dela, a ligação da Baixada Maranhense com a capital, São Luís, só era possível por meio de embarcações rústicas a motor, em viagens que duravam até cinco dias, navegando por rios e canais, até desembocar no Golfão Maranhense e fazer a perigosa travessia da Baía de São Marcos, para enfim aportar na Rampa Campos Melo.

A viagem, repleta de obstáculos e contratempos, mais parecia um rali aquático. À espera de marés, as lanchas precisavam fundear por até doze horas. Os passageiros se obrigavam a conviver com galinhas, porcos, cabras, bois e cavalos, em meio a ruídos e odores que faziam embrulhar o estômago.

À noite era uma algazarra dos diabos com o barulho dos animais, incomodados com aquele ambiente insólito, ávidos por se livrarem do cativeiro.

A etapa mais aguardada e temida era a passagem do Boqueirão, um canal entre duas ilhas, já nas vizinhanças de São Luís, próximo ao Porto do Itaqui. Ali as ondas, de tão revoltas, costumavam penetrar a embarcação e promover um sacolejo infernal. Certa vez, indo para Viana, o comandante da lancha Marissol teve a “brilhante” ideia de mandar servir o jantar justo na hora em que cruzávamos o Boqueirão.

Vi pratos sendo arremessados na água como se fossem discos voadores, rodopiando sobre o próprio eixo. O meu só não teve o mesmo destino, porque o apoiei com uma das mãos, enquanto me segurava com a outra mão em uma viga do toldo.

Contornar a ilha do Tauá Mirim era outro suplício. O trecho da baía ali parecia dotado de uma energia sobrenatural, que provocavam ondas enormes. Eu tinha pavor de passar por lá, em face de uma lembrança trágica. Nas suas vizinhanças a lancha Proteção de São José bateu em um banco de areia e partiu-se ao meio. Dezenas de pessoas perderam a vida. Foi uma comoção que repercutiu por semanas e alimentou o noticiário diário de rádios e jornais.

Um sujeito chamado Torquato, negro, alto, atlético, que morava no Ibacazinho, conseguiu sobreviver ao naufrágio. Virou uma espécie de mito. Ele contava que dormia quando a lancha foi a pique. Despertou no fundo do mar. Com esforço supremo se libertou da embarcação e veio à tona. Nadou a noite toda com um maço de dinheiro preso aos dentes. No ambiente escuro feito breu orientava-se apenas pelo clarão dos raios, que riscavam o céu a todo momento. Quando, enfim, alcançou terra firme desmaiou e ali ficou, exausto, por um tempo insondável, recompondo as forças.

Cruzar a baía de São Marcos constituía um ato quase heróico, que tirava o sono dos passageiros e podia causar estresse e até depressão. Eram noites mal dormidas e marcadas por medo, ansiedade. Menos para o meu pai, que tirava a viagem de letra e, durante o percurso, dormia feito um anjo. Meu avô materno, que tinha pavor de viajar de lancha, contava uma estória engraçada.

Os dois, que se tratavam por compadre, fizeram juntos uma viagem de Viana para São Luís. O sol ia a pino e meu pai dormia o sono dos justos. O motor da lancha começou a ratear e a soltar blocos de fumaça negra. Assustado, meu avô sacudiu a rede do meu pai, despertando-o. “O que foi, compadre?”, perguntou meu pai, entre desperto e dormindo. “Compadre, a coisa da feia! O motor da lancha está fumaçando!”, ao que meu pai balbuciou: “Não é nada, compadre”, e voltou a dormir.

Na última viagem que fiz de lancha entre Viana e São Luís, tive a companhia de Marcos Muniz, que era casado com uma tia minha. Noite alta, eu dormia. Ele me acordou, com o semblante assustado. “Nonato, a lancha encalhou em um banco de areia. Estamos em perigo!”. Eu me lembrei da estória do meu pai e segui seu exemplo. “Não há de ser nada, Marcos. Durma”. Quando abri os olhos, novamente, a lancha acabava de ancorar na Praia Grande.

(*) Poeta e escritor.

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

diques da baixada

diques da baixada

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

REGGAE

REGGAE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

agenda

março 2019
D S T Q Q S S
« fev    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31