Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

7e8f6a2a-0616-4d55-b879-d1b50470df70
No comando: ALEGRIA ALEGRIA

Das 5:00 as 7:30

biblia
No comando: CONVERSANDO COM DEUS

Das 7:30 as 9:00

7e8f6a2a-0616-4d55-b879-d1b50470df70
No comando: ALEGRIA ALEGRIA

Das 05:00 as 07:30

No comando: ARQUIVO SERTANEJO

Das 05:00 as 08:00

No comando: UMA LUZ EM TEU CAMINHO

Das 07:30 as 08:00

No comando: SINTONIA POPULAR

Das 08:00 as 09:00

Pedro Álvares
No comando: BREGA TOTAL

Das 08:00 as 10:00

No comando: CAJARÍ PARA TODOS

Das 09:00 as 10:00

10
No comando: CONEXÃO DIRETA

Das 09:00 as 11:00

No comando: BINGO VIANA FELIZ

Das 10:00 as 11:00

sabia-e-a-natureza
No comando: BAIXADA EM DEBATE

Das 10:00 as 12:00

No comando: PROGRAMAÇÃO PADRÃO

Das 11:00 as 12:00

No comando: JORNAL REGIONAL

Das 11:00 as 12:00

No comando: BINGO PAPAICAP

Das 12:00 as 13:00

No comando: PALMAS E PALMATÓRIAS

Das 12:00 as 13:00

No comando: VIANA EM FOCO

Das 12:00 as 13:00

No comando: UMA LUZ EM TUA VIDA

Das 13:00 as 13:30

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL (VARIADAS)

Das 13:00 as 15:00

IMG-20170404-WA0044
No comando: DE BEM COM O SUCESSO

Das 13:30 as 15:30

No comando: BINGO

Das 15:00 as 17:00

Riba Sousa
No comando: CONEXÃO REGGAE

Das 15:30 as 17:00

Riba Sousa
No comando: CONEXÃO REGGAE

Das 16:00 as 17:00

No comando: SHOW DA MISTURA

Das 17:00 as 18:00

No comando: SHOW DA MISTURA

Das 17:00 as 18:00

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL (MPB)

Das 17:00 as 20:00

FOTO_PROGRAMA_02
No comando: MOMENTO GOSPEL

Das 18:00 as 19:00

No comando: ENCONTRO MARCADO

Das 18:00 as 20:00

Bandeira-Brasil-stock.xchng-menor
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 as 20:00

FOTO_VINIL1a
No comando: ARQUIVO MUSICAL (ERUDITAS)

Das 20:00 as 00:00

pplware_gira_discos-720x482
No comando: ARQUIVO MUSICAL

Das 20:00 as 00:00

No comando: PROGRAMAÇÃO PADRÃO

Das 20:00 as 00:00

Princesa dos Lagos

Compartilhe:
140

Princesa dos Lagos

.
.
Ah que saudades
Da princesa dos lagos
Onde no período chuvoso
Temos a beleza das águas
Nos campos inundados
Cheios de esperanças
Da diversidade animal
E com sua vegetação
De características próprias.
Banhistas que se divertem
Pescadores aventureiros
E aqueles que retiram
O seu ganha pão
De cada dia.
No período da estiagem
O lago abre passagem
Para o verde do  campo
Para mais de perto
Admirarmos a imponência
Do Mocoroca
E a beleza do Sacoā
Lar dos caboquinhos
E outras espécies
Que soltam seus cantos
Como numa
Orquestra sinfônica.
Eu Vi Ana se encantando
Com a beleza do entardecer
E o vôo bem alto
Dos passarinhos baleias
Para depois descer
Num mergulho razante.
No céu também
Podemos contemplar
O balé das andorinhas
E nas beiradas do lago
As aves rasteiras
À procura de alimentos
E o passeio elegante
Das lindas garças.
Princesa dos lagos
Símbolo de beleza
Orgulho dos vianenses
Da baixada maranhense
Sempre serás exaltada
E eternamente amada.
.
.

      Alan Rubens

 


 

 

untitled


 

O INVERNO

.
.
O inverno também mudava nossa rotina em outros aspectos. Parecia que Deus mudava o tempo e os ventos, trovões e relâmpagos passavam a marcar presença. Após a ventania era hora de juntar as mangas caídas com o furor do  vento, disputando-as.  Após, era hora de ir pra dentro e ficar quieto porquê os trovões eram sinais que Deus estava zangado com alguma desobediência nossa.
E, então, eu pensava que era tudo verdade, mesmo porque era nesse período de inverno que meus irmãos fugiam de casa para banhar escondido na enseada do senhor Bacholi, e eu acho que foi esse o único motivo das poucas surras que levaram dos nossos pais.
O interessante é que esses dias também traziam mais fartura de comidas. Eram cofos e cofos de peixes exibindo muitas variedades e tamanhos. Não tinha turno definido para a oferta, pois os pescadores ficavam ali com seus cofos desde a manhã até à tardinha, enquanto a buzina, feita de um chifre de boi bem lixado e polido, soava bonito e forte no ar vianense, se faziam ouvir até as casas mais distantes a anunciar a chegada dos pescadores nas calçadas das nossas ruas, vindos de diversos lugares: Tapira, Porto do Moquiço, Porto da Cadeia, Igarapé do Engenho, Lago, Capoeira, etc.
A menina que eu era ficava olhando o vira e mexe dos cofos de pindova entrançados artisticamente sendo sacudidos para a escolha, restando sempre no fundo uns menores. Mas, os pequenos eram bem poucos e nem se comparam com os que se vêem agora.
Havia fartura e variedade de tamanhos e espécies: curimatá, pescada, surubim (peixe grande e gordo), liro, mandubé,  mandí, bagrinho, viola, acará preta, calambanje, jeju, traíra e piranhas de todas as cores, brancas, vermelhas e pretas, esta última de grande sabor e recheada de ovinhos.
As traíras podiam ser comidas no mesmo dia cozidas, fritas, recheadas ou de escabeche (fritas e depois cozidas) ou, então, eram consertadas (tratadas) para fazer jabiracas, que são as traíras secas.
Eu sempre ficava a observar e admirar o trabalho de Dona Neli na transformação das traíras em jabiracas, que começava no próprio cofo quando a dita senhora separava as cabeças das coitadinhas, que eram vendidas separadamente. Em seguida, fazia uns cortes difíceis de dentro para fora, retirando as tripas e todas as vísceras que continha na barriga dos peixes, para depois revira-las achatando-as e salgá-las. Feito isto, mais três dias secando ao sol, e estava pronta a famosa jabiraca para comer cozida, assada ou fazer aquela deliciosa torta de tarira, que deixa a língua dos baixadeiros nadando em saliva ante a simples lembrança.
Parecia que o relógio de parede de vovô Ribamar Costa combinava para marcar a hora que eles chegavam. Como também marcava a hora de almoçar, de jantar, e até a de anunciar na madrugada a hora da partida dos pescadores vizinhos para a pescaria novamente. Era um antigo pêndulo que batia pra lá e pra cá e tinha uma portinha de vidro com um enfeite pintado de preto na moldura.
Seu Ribamar Costa tinha também a grande e velha balança que emprestava para pesar o pescado.
Lembro estas pequenas coisas porque sempre fui, e serei, apaixonada pelas coisas dos tempos de criança que sempre me fizeram tão bem, como a barreira de Neusa, seu jardim secreto com espadas de S. Jorge e amores-perfeitos azulados, a água escorrendo e levando consigo o massapê, espécie de barro vermelho.
Tudo, ou quase tudo, isso já não existe mais para o nosso olhar físico. Mas, cristalizei cada detalhe e entesourei-os em um lugar que imagino ser seguro, porque mesmo que os anos passem, que as fotos amarelem e a vida nos oferte momentos desagradáveis a nos afastar dessas coisas boas, eu continuei firme no intento de fazer meus registros e guardei as minhas lembranças no coração. Por isso elas cumprem comigo um pouco do registro enquanto tenho tempo.
.
.

Laurinete Coelho

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

diques da baixada

diques da baixada

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

REGGAE

REGGAE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

agenda

junho 2020
D S T Q Q S S
« mai    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930